Receitas e despesas: quais as diferenças entre elas?

Postado em 8 de setembro de 2020

Finanças e vendas

Tempo de leitura: 4 minutos

Se existe uma premissa básica para que uma empresa tenha sucesso, sem dúvidas, é ter receitas maiores que as despesas. 

Mas como ter um controle efetivo dos dados com uma gestão eficaz das receitas e despesas do seu negócio? Quais são as diferenças entre receitas, entradas, despesas e saídas? Qual é a importância do controle do fluxo de caixa no contexto geral de uma organização?

Neste post, vamos ajudar você a entender melhor os conceitos em torno de dois termos importantes para a gestão de toda empresa: receitas e despesas.

Ao final da leitura, vamos mostrar como manter um controle efetivo do seu fluxo de caixa e de que forma o seu negócio pode se beneficiar com uma gestão mais eficaz, focada em informações concretas e qualificadas. Confira!

O que são receitas?

As receitas podem ser conceituadas como tudo aquilo que uma empresa arrecada a título de recebimento pela venda dos seus produtos ou pela prestação dos seus serviços.

Dessa forma, ela representa as entradas de recursos que ocorreram na empresa por um determinado período temporal, como um dia, mês, trimestre, semestre ou ano.

Por outro lado, para que uma empresa consiga prestar um determinado serviço ou vender produtos, ela precisa ter recursos financeiros para cobrir as despesas.

O que são despesas?

As despesas são aquelas contas que precisam ser pagas para garantir a continuidade das atividades. Alguns exemplos de despesas são:

  • contas de luz;
  • água;
  • internet;
  • salário dos colaboradores;
  • pró-labore;
  • tributos;
  • aluguel;
  • material de escritório, entre outros.

Basicamente, as despesas representam os valores que são investidos na empresa e que podem ou não estarem ligadas diretamente à estrutura necessária para manter o produto disponível para venda, mas que precisam ser pagos para que a empresa continue funcionando.

Nesse sentido, a receita se diferencia da despesa, pois ela contribui com o cálculo do lucro gerado. É justamente nesse ponto que é preciso ter em mente três regras básicas envolvendo receitas, despesas e resultados dentro da empresa.

  1. Quando a receita for igual à despesa, a empresa terá um resultado nulo, ou seja, sem lucros mas também sem prejuízo.
    • RECEITA = DESPESA = RESULTADO INEXISTENTE
  2. Se a receita da empresa for inferior às despesas, é o momento de ligar o sinal de alerta, pois o negócio está operando com prejuízos.
    • RECEITA < DESPESA = PREJUÍZO
  3. No cenário ideal as receitas são superiores às despesas. Esse é o objetivo de toda empresa, já que reflete um resultado positivo, em que há geração de lucro.
    • RECEITA > DESPESA = LUCRO

Qual é a diferença entre receitas e entradas?

Uma confusão muito comum entre os gestores está relacionada à dificuldade de conceituar entradas e receitas.

Vamos usar como exemplo um empréstimo bancário. Imagine que a sua empresa solicita um empréstimo junto ao banco. Ao receber a quantia, a entrada de dinheiro é registrada no caixa da organização. Todavia, esses valores não são uma receita, pois representam uma dívida, que deverá ser paga em parcelas, provavelmente com incidência de juros.

É um capital que vai entrar e sair. Por isso, não poderá ser usado na apuração de resultados e não integrará o rol de valores que compõem o patrimônio da organização empresarial.

Qual é a diferença entre despesas e saídas?

Aqui, surge outra dúvida entre ambos conceitos. A despesa é uma parte das saídas, mas não representa a totalidade.

Nesse sentido, as saídas de capital podem ser de diferentes tipos — investimentos, custos e despesas. Imagine, por exemplo, que a empresa compra um automóvel para a equipe de vendas se locomover até os clientes. O carro será um investimento, por isso, representa um aumento no ativo do negócio. Já os gastos com combustível, seguro e oficina são despesas.

Vale ter cuidado para não confundir despesas com custos. São considerados custos aqueles que representam as saídas relacionadas diretamente à produção ou manutenção. Então, para produção de um produto, existem custos como com mão de obra e matéria-prima.

Sabendo as diferenças entre os conceitos, fica mais fácil para o gestor entender o comportamento das finanças, separando as despesas administrativas de custos de produção e tendo condições de avaliar se vale a pena produzir um determinado produto ou oferecer um serviço específico ao mercado, além da possibilidade de revender um produto.

Os conceitos de receita e despesa são de extrema importância na apuração de resultados. Como já destacamos, são os resultados das receitas e despesas que vão determinar os lucros ou prejuízos.

Por que é importante manter o controle das receitas e despesas?

Ter acesso às informações do negócio é de grande importância no planejamento das ações e estratégias que serão implementadas desde a etapa da compra de produtos dos fornecedores até a definição de metas de vendas.

É nesse contexto que surgem o fluxo de caixa e a necessidade de ter um bom sistema de gestão que integre todos os setores do negócio. O mercado oferece ferramentas interessantes de gerenciamento online, que auxiliam na gestão financeira, administrativa e fiscal.

Hoje, é possível manter o controle das receitas e despesas sem a necessidade de ser um expert em contabilidade ou finanças. Softwares especializados automatizam as tarefas operacionais, oferecendo uma visão dinâmica e clara das informações — o que contribui, inclusive, para as tomadas de decisões.

Com isso, ficou mais fácil ter um controle completo da área financeira e fazer um planejamento estratégico, focando naquilo que realmente vai ajudar o seu negócio a crescer. Entender o conceito de receitas e despesas é essencial no planejamento e gestão eficaz da sua empresa.

Agora que você já sabe melhor como eles funcionam e qual a diferença entre as entradas e saídas, que tal aprofundar o seu conhecimento sobre gestão financeira? Leia este post com dicas sobre gestão financeira!

voltar

Compartilhe
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin